12.31.2008

E, para a malta decente, desejo um 2009 em grande.
(tipo este, é grande.)

Já para os outros, desejo um 2009 assim assim e já vão com sorte. Com cócó de cão à mistura. E poças de água. E cócó de pombo também. Pronto, tudo coisas inofensivas, que eu cá não sou ruim.

12.16.2008

9
3) Ensaio sobre o Stress Raivoso


Estar em stress é correr de um lado para o outro. É ter o estômago a contorcer-se. É sair de casa com uma meia de cada cor.
Estar em stress é ficar com a cabeça mais em papa do que uma inundação de nhanha em tempos de gripe.
Estar em stress é ter vontade de dizer todas as asneiras e mais algumas sob risco de ser deserdado ou multado por atentado ao pudor.
Estar em stress é querer dedicar-me à pesca mesmo quando o Sporting até consegue não perder um jogo.
Estar em stress é querer ir para o cimo do monte gritar até ficar sem cordas vocais. Mas este é um estar em stress fofinho, que não quer prejudicar ninguém além do S. Pedro.
Estar em stress raivoso é apetecer ser amiga e inserir juízo manualmente na cabeça de alguém; nem que seja à paulada.
Estar em stress raivoso é ter vontade de escavacar coisas que não funcionam. Ou atirá-las da janela abaixo. Ou torcer-lhes as peças todas até estalar.
Estar em stress raivoso é querer fazer pontaria com uma caçadeira à coluna da rádio da santa terrinha que nesta época está ali num poste bem em frente ao meu quarto a tocar desde as 8 da manhã.
Estar em stress raivoso é ter tanta ira acumulada que uma pessoa até fica vermelha e com os olhos raiados, qual filme de terror. Estar em stress raivoso é querer rasgar e partir coisas.
Estar em stress raivoso é ter vontade que aconteçam as piores coisas às piores pessoas, o que inclui entranhas espetadas em ferros e paus cravados de pregos e coisas amigas desse género.
Estar em stress é pensar em formas de tortura para professores ditadores. Estar em stress raivoso é pensar SERIAMENTE em formas de tortura. E ficar feliz ao imaginar os uivos de dor.
Estar em stress é não ter paciência. É estar mal e ser pior.



Pode não parecer, mas eu não sou violenta. O facto de ranger os dentes de forma assustadora enquanto estou a dormir é uma calúnia. Isso e contagiar pessoas com gripe. E agressões físicas. Mas se, por acaso, me pisarem de forma a que me venham as lágrimas aos olhos, aviso que pode haver um reflexo de pontapé. Não tenho culpa; é reflexo.


Já dizia o Sá que a agressividade faz bem. Devo ser uma pessoa sãzinha da Silva, então. Mas valia mesmo mais atirar a filha da mãe da impressora pela encosta abaixo. Mal por mal, ela já não funcemina... Eu ficava muito mais feliz e não tinha tantas dores de estômago de internalizar estas coisas.



Bem… Ao menos não pisei cocó de cão.

0
2) O blog apresenta...


.
Puro Stress.



Em exibição numa semana de frequências perto de si.

0
1) 15 dias de folga (ou "como a paz voltou ao mundo") e só me apraz dizer:


Este blog não é professor, mas também tem direito à greve.
.

12.02.2008

5
Constatação do dia:


O Trevim é a nova Sierra Nevada.


(Enquanto não há tempo para uma dissertação a sério, vai-se vendo a neve...)

11.25.2008

Acho que o Pólo Norte está cada vez mais perto.

Tipo... Já ali à saída da minha porta.

11.21.2008

7
Direito à greve?! Era espetar-lhes os intestinos num pau!!! ("libertar a ira faz bem à saúde")


Gostava de saber (juro que gostava) quem foi a alma que inventou que os trabalhadores têm direito à greve.

Esse gajo não andava de transportes públicos.

Provavelmente a brilhante invenção foi numa altura em que os professores trabalhavam demais. Digo, que os funcionários públicos trabalhavam demais (paizinhooo, eu não queria dizer isto!!!).

Quem inventou a greve não estava em risco de não ser operado por falta de pessoal.

Nem sabia que os putos (sim, porque estes são meeesmo putos) do básico e secundário também iam querer festa.
Os mais responsáveis do secundário estão quietinhos e se fazem greve sabem porque fazem, não porque “aaaah…” (resposta-típica-da-síndrome-do-Paulo-Bento).

Quando se inventou o direito à greve ainda não devia haver o Estrela da Amadora.

E o mundo ainda não dependia dos camionistas.

11.20.2008

2
Momento institucional. (este blog anda cheio de momentos)


Porque é sempre bonito ver O gigolo profissional rumar a Portugal para tentar salvar o Miguel.

E porque cortiça em inglês faz-me rir.




Cork cork cork para vocês.

Salvem a cortiça. E os sobreiros. Porque são uma excelente árvore para fazer pontaria quando se tem uma pressão de ar.


11.19.2008

0
Momento "ser-gaja-pode-roubar-tempo-útil-de-vida"


Gajas...
Eu cá não sou assim. Pelo menos aposto que não gosto de metade das bebidas a que vão dar as setinhas.

11.18.2008

4
Momento culto do dia:

(Este blog agora também já tem momentos cultos?! Estou em declínio!!!)

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta."

Cá está a prova de que não sou só eu que basicamente não posso com as criancinhas de hoje. Eu ainda agora deixei de ser criancinha e posso afirmar que no meu tempo não era nada disto.

Atirar ovos? Só quando alguém fazia anos.



E, num assunto completamente relacionado:
"_Então o que é que vais fazer no teu dia de anos?
_Ouvir conferências sobre luto. Mas o coffee break é patrocinado pela Dancake. Com sorte aparece-me um fósforo numa torta."

11.12.2008

6
Os ensinamentos do Sá


Ideia nº 1: A Carochinha é pior que os bonecos violentos.

“Se eu tivesse uma filha que se pusesse à janela à espera de casar com o primeiro que lhe aparecesse à frente, aí sim eu ficaria preocupado.”

Eu também acho que a maioria das histórias infantis é um bocado macabra. Olhem o Rei Leão pai que é esmagado por um bando de gnus em fuga. Ou a Branca de Neve que antes de casar com o príncipe está não sei quantas horas dada como morta num caixão. Ou ainda os Aristogatos que sofreram uma tentativa de envenenamento. A própria Cinderela que é uma escrava. O Pinóquio que quase arde na lareira. Os contos dos irmãos Grimm então nem se fala.

Ideia nº 2: A pornografia em canal aberto a partir das 22h30 como potenciadora da vida familiar.

“Os pais vêm para casa mais cedo e passam mais tempo com os filhos para evitar deixá-los sozinhos em frente à televisão, pois habilitam-se a que a criança se perca no caminho para o canal panda.”


Avé Eduardo Sá.


Só ele para nos transmitir conhecimento valioso sobre como cheirar a texugo, porque é que dar um tiro na boca mata melhor do que dar um tiro na cabeça quando se pretende um suicídio, as borbulhas na ponta do nariz como potenciadoras da fobia social, como morrer de medo, como sonhar com um professor vestido de Capitão Gancho ou ainda como arranjar um namorado choninhas.

11.09.2008


Juro que depois deste jogo só me apetece dizer asneiras.
E das feias.
.

11.07.2008

0
Ele é que sabe...




11.06.2008

1
É um bocado... vá... estúpido...

... quando uma frequência é interrompida por um simulacro.

1
Alguém...

... levou um banho turco hoje.

Temos pena. A sério que temos... Eu até tenho.

11.02.2008

3
Quando eu desesperar...


... porque o SPORTING anda muito mal...


... lembro-me do Porto* e fico logo feliz.


*"Figueira... Figueira da Foooooooooz...."

10.31.2008

2
E este é (mais) um post completamente idiota.

Hoje é Halloween.

Então BOOO! para vocês.


Agora corram desalmadamente e gritem como se não houvesse amanhã. Basicamente a reacção que têm quando pensam num dentista. Ou num encontro com o José Castelo Branco.

10.30.2008

0
Conselho amigo:

Quando derem por vocês a darem demasiada importância ao que eu escrevo...

Epá, arranjem uma vida.


10.29.2008

6
Se ouvirem falar...

... em mortos e feridos lá para os lados do distrito de Coimbra... nomeadamente senhores das obras com picaretas pela cabeça abaixo...

... sou eu. É que isto de ter gente no andar de cima a arrancar o soalho e obras afins desde as 8 da manhã é um bocado vá, para despertar os instintos sanguinários que há em mim. No mínimo.

10.28.2008

3
E o prémio para melhor cartaz da Latada vai para...


"Sugababes: Eu vim.
Elas é que não."

(sátira ao facto delas terem desmarcado na própria semana do concerto)


O meu nabo era tão famoso que fez parte de uma peça de TV.
Rakeluças, eu e a Morena: as 3 futuras pseudo-psicólogas da vigairada cujos nabos permanecerão para sempre (ou vá, uma semana) preservados pelas fitas da RTP.

10.27.2008


Já toda a gente ouviu falar do assunto.

Não sou só eu que acho um excelente trocadilho chamar "Stayin' Alive" à música que tem o ritmo ideal para se fazer uma massagem cardíaca em condições, pois não?

"Life’s goin' nowhere. Somebody help me."



E por falar em músicas e por me lembrar de uma pomba quase sem cabeça que estava numa rua qualquer a caminho da faculdade há umas semanas (nada sádico, né Morena? Andar à procura de cabeças de pombas degoladas à beira da estrada...):

"I killed a bird and I liked iiiit" (em homenagem à Flora)

1
Amanhã é dia disto:



Cortejo da Latada da UC 2008

Pesa 800 gramas. Dá um bom jantar para alguns caloirinhos.

"Laranja em cima e o resto em baixo". (E são estas as psicólogas do amanhã. Esta juventude está mesmo perdida.)

Entretanto deixo uma boa notícia referente ao código da praxe para os que, como eu, vão no carro e põem fitas um ano mais cedo do que se fazia antigamente (antigamente tipo vá, no ano passado.): "Só os estudantes que estejam em condições de acabar o 1º ciclo nesse ano lectivo, podem usar Insígnias Pessoais. No entanto os Veteranos, no último ano do 2º ciclo, podem voltar a usar as Fitas no dia da Serenata Monumental da Queima das Fitas." (in AAC) Finalmente vejo um bocadinho mais de sentido nesta revolução da praxe.

E eu bem digo que este blog é informativo.

10.26.2008

1
"McDrive aberto todos os dias até às 2h"


Questão filosófica do dia:

Se hoje às duas era uma... será que o McDrive esteve aberto até às 3...?

10.22.2008

4
O boneco que sabia demais




Este boneco era giro. Era simpático, a apontar-nos os números para marcarmos o código. Tinha pinta ao traçar a sua perna. Foi traído pela própria rede SIBS quando esta meteu uma senhora a fazer de voz do multibanco quando o boneco é claramente homem.

Quiseram calá-lo, o boneco que sabia demais. Afinal, tantos anos no multibanco que já devia saber qualquer coisa. Num dia estava lá e noutro dia puff, fez-se o chocapic. Que é como quem diz, desapareceu.


E agora vem-me uma aventesma de braços nos ar pedir-me para introduzir o cartão quando lá chego. Quando vou ao multibanco tenho um sério receio que esteja alguém por trás de mim a apontar uma arma ao boneco. Ele tem mesmo ar de "mãos ao ar, isto é um assalto". Ainda por cima no multibanco.

Eu como futura-pseudo-psicóloga acho que deve ser trauma da última moda de atentados contra as caixas multibancos. O bicho agora, digo, o boneco, está traumatizado e já levanta os braços a toda a gente. Esperemos que não cheire mal dos sovacos.




Agora a sério, é que este boneco tem mesmo cara de parvo.
Até parece que o estou a ouvir: "Levem tudo menos a caixa!"



(a tese da reforma choruda do boneco do multibanco em http://iva.caoazul.com/blogiva/archives/516)

10.21.2008

0
De cu para o ar


"Foi assim que a Alemanha perdeu a guerra."


E que muita gente ganhou a vida.

2
e-Universidades: uma pessoa tem de saber impôr respeito.

Eu disse: “Ó ti ‘Sócres’, companheiro, você acha bem dar portáteis aos putos da primária quando eu tenho de pedir emprestado se quero para trabalhos lá da faculdade? Acha isso bem? Eu cá não acho nada bem… (Raios partam as criancinhas...) Seja amigo e lembre-se dos pobres, nomeadamente aqui da Redinha, está bem? Vá, faça lá o jeitinho..."

E a verdade é que aí vem ele este ano: e-Universidades. Um bicho Toshiba que me parece de qualidade. Com facilidades no pagamento (notem que eu disse facilidades, não "redução". O bicho não sai assim tão barato...) Não são os 150€ do e-Escolas, mas também é melhorzinho… Vamos lá ver…


10.17.2008

Depois de andar a ler sobre Psicologia das Organizações (coisa extremamente interessante, então não...), a frase do dia sobre relações em contexto de trabalho (meeesmo relações, se é que me entendem) é

"Onde se ganha o pão não se come a febra".


Ora disto não ensinam nas aulas, não...


(por falar em carne, comi uma carne de borrego tão rija que devia ser mesmo velha. Às tantas ainda era do borrego que o Abrãao sacrificou em vez do filho não sei quantos mil anos antes de Cristo...)

10.16.2008

1
Modernices...

Hoje vi uma senhora que tinha pastilha elástica colada nas calças.

No meu tempo não havia nada disto. Colavam-se as pastilhas debaixo dos bancos, não em cima...

A LP deu-me uma bonita ideia. Vocês, os 3 leitores que cá vêm parar por acidente, digam de sua justiça formas interessantes (ou humilhantes, que também é giro), de se morrer.


Começo pela humilhação de ser atropelado por um camião da Moviflor.

Ou pelo Pantufas.

10.15.2008

"Uma em cada quatro pessoas é desequilibrada. Pensa em 3 amigos; se eles te parecerem bem, então és tu essa pessoa".


Vocês podem não pensar isso, mas eu sou uma pessoa equilibrada.
.

3
Teorias do suicídio - 9 formas de se matar, das quais 6 envolvem sangue (ou "um post um bocado mórbido")

O suicídio do sr. assassino_inimputável_fugido_do_sobral_cid veio acender a discussão sobre a temática do suicídio.

E fez isso porquê?, perguntais vós almas curiosas.

Não porque se tenha matado (morto morrido), até porque, segundo as opiniões que fui ouvindo, “é menos um” (gente simpática, esta). Mas sim porque teve um bocado falta de bom senso e matou-se ao pé da linha, lixando a vida aos passageiros da CP que viram a circulação ferroviária interrompida. Tal fez-me pensar que às tantas o senhor já tinha sido cliente da CP e tinha aproveitado a ideia de “ah, vou dar dois tiros na cabeça!” para os chatear também um bocadinho.


Atirar-se para debaixo do comboio:Lembrei-me logo de uma prima minha que dizia que, se se fosse matar, atirava-se para debaixo de um comboio em Lisboa, num sítio cheio de gente e à hora de ponta, para lixar a vida à maior quantidade de pessoas possível. Acho uma boa ideia. E se for o comboio em que o seu patrão vai, ainda melhor. Com sorte acertou no dia da reunião importante e os outros sócios despedem-no e deixam-no na rua da amargura e ainda se matam também.
A ideia de atirar para debaixo do comboio parece-me boa. Mas atenção, que nem todas as almas morrem. O que é um bocado triste. Mais triste do que se tentar suicidar é tentar e falhar. Por outro lado, as almas inteligentes que se atiram para debaixo do comboio têm de pensar seriamente: ou se atiram para debaixo de um que os deixe completamente estralhaçados e irreconhecíveis ou deixam um bom dinheiro à família, uma vez que esta (além do funeral!) ainda tem de indemnizar a CP pelo tempo em que o comboio está parado para a remoção do corpo. A isto chama-se aproveitar-se da desgraça alheia. Coisa que eu nunca faria.
Além disso notem: se estão parados no meio da linha à espera que o comboio chegue é óbvio que ele vai parar. Se estão de lado e se atiram quando ele vem habilitam-se a ir contra a carruagem em vez de lá ficarem debaixo.
Se querem um bom sítio, Miranda City tem a curva ideal, já testada por inúmeras pessoas que, de facto, morreram, embora aí o comboio já não venha muito depressa. Mesmo em frente ao centro de saúde, o que faz com que venha logo a equipa médica: não vos impede de morrer mas ajuda na rapidez de remoção do corpo de maneira a que a família não pague muito à CP depois. Útil, prático e barato.

Acidente de carro:
Outra hipótese bonita é pé a fundo no acelerador ou, se anda a pé, atirar-se para debaixo de um carro. Ou camião. Ou uma camioneta da Moviflor. Ou do Pantufas (desaconselhável: duvido que ele mate alguém a 20 km/h). Se for numa passadeira e não houver testemunhas e achar que não morre (complexo Claire – Heroes), habilita-se ainda a ganhar uma rica indemnização.

Comprimidos:Acho os comprimidos para fraquinhos que não gostam de sangue. Ou que querem chamar a atenção, derrubando o frasco sem nada em cima do recado de despedida. Na. Fraquinhos.

Cortar os pulsos:

Parece-me um bocado exibicionista como os comprimidos. E também para fraquinhos.


Afogamento:

Isso é que não. Depois é um cheiro que não se aguenta. Lembre-se: você quer matar-se, não é transformar-se em sabão.


Homicídio–suicídio:
Parece-me levar ao extremo a ideia de “agora já não me apanhas”. No entanto até compreendo. Já que a pessoa se vai matar, ao menos que tenha um bocado de emoção antes. E se não pode ter uma perseguição à americana como o do Sobral Cid, então que mate o vizinho do lado que deixa o cão uivar à noite. E a vizinhança agradece.

Enforcado:Esta é uma medida para homens inseguros e um tanto exibicionistas. Matam-se de forma a ejacular depois de mortos e, se não forem retirados da forca a tempo, habilitam-se a ficar com uma erecção para sempre. Tipo, mesmo. Ora aqueles que se enforcam num sítio onde sabem que tão depressa não os encontram estão-se mesmo a meter a jeito. Morrem, mas toda agente fica a falar deles, sobretudo se no funeral não se conseguir fechar o caixão.

Tiro na cabeça:
Só se tiver a certeza que acerta. Esta é uma boa opção para quem tem algo contra a empregada e se quer matar em casa, pois ela provavelmente será a primeira pessoa a ver o espectáculo e ainda tem de limpar depois.

Kamikaze:
Kamikaze é levar ao extremo a ideia de lixar a vida alheia. Mas eu não gosto deste género. Para lixar a vida alheia convém que as pessoas fiquem vivas para poderem ficar chateadas.

10.13.2008

3
Próximo capítulo: teorias do suicídio - aprenda como sair em grande estilo, fazer o maior estrago possível e ainda lixar a vida ao seu patrão!

E ainda a falta de figos em Coimbra, a importação de figos de Leiria e o boicote do elástico desaparecido. Tudo num blog perto de si.



Não é um blog, é O blog: 8 meses a informar.

.

10.10.2008

2
Por falar em drama, tragédia e horror... (ou "eu quero é sangue!")

Quando a linha fechar para obras eu vou sentir falta desta animação.
"Qual animação?", perguntais vós, mentes incultas que não vêdes notícias.

ESTA animação.

Houve literalmente mortos e feridos. E saaangue. E comboios parados umas horas à espera. Emoção, muita emoção!!!


Sabia-se que havia um fugitivo: confirma-se.
Tinha havido tiros: confirma-se.
Que um polícia tinha sido baleado: também se confirma.
Agora porque raio é que o homem andava a fugir é que ninguém atinava. Desde assaltar um café a assaltar umas bombas de gasolina, o homem passou por um belo ladrão. Afinal não, era só um maluco assassino fugido do Sobral Cid (hospital psiquiátrico de Coimbra). Gostei especialmente da versão em que o senhor estava a assaltar um banco na região e que até tinha reféns - não sabiam essas pessoas que o senhor a essa hora já estava dentro de um saco de plástico.


Com estas confusões todas, quase tenho pena do sr. chanfrado "ah_eu_matei_o_meu_filho_há_2_anos_e_agora_é_a_minha_vez", que até passou por ladrão. Já o homem estava morto e as pragas dos senhores utentes da CP lhe caíam em cima. Porque uma coisa é certa: o senhor podia ter rebentado com os miolos um bocado mais para o lado.

10.07.2008

1
O drama, a tragédia, o horror. Ou uma coisa parecida.


Só para expressar que é um bocado deprimente morar ao pé de um quartel de bombeiros. Isso acrescido ao facto de ter um cão.

O que implica que toquem duas sirenes quando há problemas.


(tenho um sério receio que qualquer dia os bombeiros se enganem e entrem no meu prédio em vez de entrar no quartel)

10.06.2008


Ao fim de uma dia a meditar no assunto continuo a achar que se jogassem sozinhos tinham perdido na mesma.

(Mas eu até percebo o Rui Patrício. Ninguém está à espera que um badameco qualquer como o Bruno Alves marque assim um golo de livre. E que depois mande outra bola à barra. Mas depois de ver o Nuno Gomes marcar grandes golos de cabeça, temos de aprender a esperar o imprevisível.)

Se isto não melhorar eu juro que me dedico à pesca. Ou faço como o Zé Diogo e afirmo que como as minhas próprias barbas. (Mas quanto a isso ainda não há crise.)

1
Oferecem-se pontos do campeonato. E ainda leva uma galinha de bónus. E duas couves trouxas para a sopa.


E no jogo coxos contra aleijados, ganharam os aleijados.

Nunca vi ninguém seguir uma bola com tanta atenção como o Rui Patrício.

Alguém explica ao Derlei que o objectivo primário do jogo é marcar golos na baliza do adversário e que isso passa por, nomeadamente, ACERTAR NA PORCARIA DA BOLA?!

Sporting Clube de Portugal, nem o Mirandense anda a jogar tão mal.

10.03.2008

4
Devolvam o queijo ao Pauleta.

"Nos Açores o tempo pode alterar entre o sol e a chuva várias vezes no mesmo dia".
(publicidade do Queijo Flamengo)

Porque no resto do país não, não é? Os Açores são um fenómeno estranho...

10.01.2008

2
Considerações futebolísticas pré-Basileia:


Se o Sporting e o Porto jogarem tão bem como no último jogo de cada um (leia-se, Benfica e Arsenal), Domingo teremos um renhido jogo coxos contra aleijados.


Aquilo ontem foi humilhação pura. Nem sei como o Jesualdo sobreviveu. Se não tivessem havido uns falhanços à Nuno Gomes, tinham levado era 7 ou 8...

9.28.2008

3
Já fui à Luz e já voltei. "Sempre leão, até num dia não".

Leão? Acho que já vi gatinhos mais ameaçadores do que aqueles ontem...

Mas tudo controlado. Uma vez que era uma prenda de aniversário para lampião, estava apalavrado nos bilhetes comprados que pronto, lá podiam talvez ganhar. Mas era depois de sofrimento, não assim tipo “parece fácil”. Raios.


“Procura-se equipa do Sporting, vista pela última vez quando se dirigia ao estádio da Luz. Dá-se recompensa a quem os encontrar.”

Ainda devem andar por aí perdidos.

Alguém os viu? Eu estive lá e não os vi.
É possível jogarem assim tão mal? Pelos vistos foi.

9.26.2008

4
"Eu vou, eu vou, ao estádio da Luz eu vou..." Momento musical do dia (ou "como entrar no espírito do derby")

De Coimbra a Lisbooooa são 3 horas de caminho
E já não é naaaada mau indo assim devagarinho
Chega-se lá láááá p’ras 4 e ainda se vai vadiar
Antes de entrar no estááádio para ver o Sporting ganhar.

E saio à uma, e vou correndo
Vou para o derby, e vou correndo
Levo cachecol, e vou esperando que nããão…
me malhem!

na Luz!


Outra vez vim de Lisbooooa num autocarro de benfiquistas
O Sporting tinha gaaaanho e eles não podiam com a azia
Espero que a história se repiiiita e que levem dois ou três
E que no próximo encoooontro eu lá volte outra vez.

E saio à uma, e vou correndo
Vou para o derby, e vou correndo
Levo cachecol, e vou esperando que não…
me malhem!

na Luz!


Seja de noite ou de dia trago sempre na lembrança
A cor dessa alegria que é o verde da esperança
De Coimbra a Lisbooooa são 3 horas de caminho
E já não é naaaada mau indo devagarinho

E saio à uma, e vou correndo
Vou para o derby, e vou correndo
Levo cachecol, e vou esperando que não… que não… que nãããão
Me malhem!

Na Luuuuz!

Que não me malhem na Luuuuz!





Saudações leoninas ;D

9.25.2008

3
27/09, 20h45: "Só eu sei… porque não fico em casa"




Estádio da Luz: EU VOU

9.22.2008

2
O verdadeiro sentido de Dura Praxis Sed Praxis

Os sapatos matam, mas o que tem de ser tem muita força.

9.19.2008

2
Mas quem é que quer saber dos senhores do tempo quando há coisas destas?!


A pedra que prevê o tempo:

A pedra está molhada: chove.
A pedra está seca: não chove.
Há uma sombra no chão: está sol.
A pedra está branca por cima: neva.
Não dá para ver a pedra: nevoeiro.
A pedra balança: vento.
A pedra salta para cima e para baixo: tremor de terra.
A pedra foi-se: tornado.

9.16.2008

2
Consideração do dia:

Há gente estúpida.

E há gente que abusa tanto que torna o simples processo de respirar num autêntico desperdício.


(Com tantas árvorezinhas a serem abatidas e com o buraco do ozono e tudo e vêm desperdiçar o oxigénio tão precioso para o resto da humanidade. Chiça!)

9.15.2008

1
E está aberta a época de caça outra vez

Com a saída dos resultados das colocações no ensino superior chegam os dias das matrículas da malta da primeira fase. E o que é que isso significa? Praxe, quer dizer, recepção calorosa e amigável aos novos caloirinhos. É tudo muito amigável. Ajudamo-los a passar o tempo das horas que estão na fila, pomo-los a confraternizar com outros caloirinhos (iniciar conhecimentos no mundo universitário), etc. Tudo muito light. Afinal, "os Doutores são nossos amigos!" e na fila eles nem passam de pára-quedistas (ai a hierarquia da praxe… código, a quanto obrigas…).

Tudo isto para dizer que pronto, mais uma ficha, mais uma volta. Amanhã lá vou eu receber e prestar informações
(sim, que ser um Dr. em condições não é só rambóia e figuras tristes para os novos pseudo-estudantes) às meninas (num dia inteiro a probabilidade de encontrar um rapaz que se vá matricular em psicologia é… muito baixa) e ao menino (dois, no máximo) que se venham matricular em Psicologia(é Psi, é Psi, é Psicologia) na grandiosa UC. E mostrar a cidade, quem sabe. Pelo menos uma ou outra paragem de autocarro. (Porque há muitos turistas que gostam de ver a tradição… serenatas e pega-monstros são sempre bonitos de ver…)


Começa o meu ano de Candeeira
(eu sempre soube que as minhas ideias eram luminosas…) e pronto, Dura praxis sed praxis.

Ou então não tão dura assim, que o meu colete continua a uso… (maldito novo código da praxe)…

9.14.2008

2
"Mamma mia, here I go again..."

Era suposto não ficar viciada e a cantar "Super Trouper" e "Mamma Mia" e "Honey Honey" e "Lay all your love on me" e afins depois de ir ver o filme...? Deviam ter avisado antes.

"Well I can dance with you honey
If you think it's funny
Does your mother know that you're out?
And I can chat with you baby
Flirt a little maybe
Does your mother know that you're out?"

(deixem lá, isto passa...)

9.12.2008

2
Ora pois, era exactamente isso que eu estava à procura!

Oh povo que tendes dúvidas em que banco abrir uma conta ordenado, não procureis mais!
....
No Millenium BCP oferecem CDs do Jorge Palma!

Deixem cá ver: menos juros, menos custos de movimentação, mais benefícios … vs… um CD do Jorge Palma. Nem penso mais no assunto, é que era mesmo disso que estou à procura num banco. De CDs.

(mas atenção, povo, não se iludam! É limitado ao stock existente! Corram que nem desvairados antes que esgote!)


(e é mesmo por isto que uma pessoa vai resolver abrir uma conta no Millenium...)

9.10.2008

1
Momento non-sense do dia.


"Almoço volante".

(como as metas no ciclismo)

Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora:

volante, adj. 2 gén. que voa; que se pode levantar e tornar a assentar; fig. movediço; flutuante; que se levanta com facilidade; armado à ligeira; móvel; mudável; que não tem domicílio certo; diz-se da folha escrita ou impressa que não está ligada a outra;


Nada disto faz o mínimo sentido quando aplicado a um almoço.


FARNEL, amigos, era isso que vocês queriam dizer. Agora "almoço volante"... Devem pensar que são chiques... Devem...

9.08.2008

3
Conclusão idiota:

Anteontem recebi um comment de um post ainda antes de ele estar acabado.

Isto sim é ser mais rápido que a própria sombra.


9.06.2008

6
E quem passa pelo McDrive pouco antes das duas da manhã habilita-se a ver coisas...


... destas.





Peluche extremamente fofo mas tão velho que dá a sensação que o pêlo está para lhe cair a qualquer hora?
Um cachecol da selecção? Do sporting? Do benfica? (não dá para riscar isto..?) Anti-tripeiros? (podia muito bem ser um clube...) Da briosa? Do mirandense? Do clube atlético união do cu de Judas lá atrás do sol posto?
Uma bandeira?
Um galhardete?
Chapéus de chuva?
Um daqueles cãezinhos cuja cabeça abana por todo o lado e que parece poder ficar degolado a qualquer momento?
Outro qualquer objecto que se leve na mala e que seja potencialmente idiota quando referido neste blog?

Não.

Papel higiénico.

(ao menos estavam prevenidos caso fosse preciso pararem no caminho...)

9.03.2008

6
Toca a mexer, pessoal!


Ora e eu que quero chegar aos 100 anos... Tenho muito que trabalhar!

8.31.2008

5
E o que está a dar é...


Peddy Pastelarias.



E como é que funcemina, perguntam vossas excelências? Uma pessoa corre as pastelarias da terrinha que têm os melhores bolos e come um em cada uma. Um, que mais já é alarvice. (Sim, 5 ou 6 pastelarias não, mas mais que um bolo numa já é alarvice... oh sorte, se a gula é um pecado mortal, já tenho cativo no Inferno...!) E vá, o que não falta na Santa Terrinha são boas pastelarias, ao menos isso. E se não há na Santa Terrinha vai-se para a Terrinha vizinha.





(ao cimo à esquerda, são reais, são bons e deixam-me com os olhos em bico e água na boca: travesseiros de Sintra. Sintra devia ser aqui ao lado. Ora bolas.)


Pensem nisso. É excelente para a depressão, para a vontade de moina ao domingo à tarde e para a hipoglicémia. E não se esqueçam que a comida dos neurónios é a glicose. No fundo, estamos a contribuir para o bom funcionamento do nosso cérebro. (As desculpas que uma pessoa arranja...) E um coma glicémico vem sempre a calhar, não é...


(será que a hiperglicémia dá origem a neurónios sobredotados? Eu pelo menos penso muito melhor depois de 3 pastelarias...)


8.28.2008

2
Notas de viagem

Passei ontem por um letreiro que dizia "Deus procura-te". Como é que pretendem cativar pessoas com ameaças destas?! Até porque isto vai contra o fiel ensinamento "cada um sabe de si e Deus sabe de todos". Além de quererem ameaçar as pessoas ainda as querem ludibriar, tipo "aaah, és tão importante que até Deus anda à tua procura!!". Daaah, Deus sabe bem onde é que a gente anda, quem é que querem enganar...

Li isto no mesmo dia em que observei na estrada Figueira da Foz - Coimbra um belo cartaz que dizia "Aloé Vera a 500 metros". E em relação a isto nem preciso dizer mais nada, já é bonito imaginar um cartaz a dizer "Aloé vera a 500 metros". Não tarda muito estão a vender karités à beira da estrada.

(E acabei de receber uma lição de como conseguir acender brasas no assador em menos de meia hora, sem o recurso a um frasco de álcool, a um'a bola" com capa do Di Maria, a um Record com um qualquer também do Benfica, a duas pinhas e ainda sem atear fogo às casas do lado, sem morrer asfixiado com monóxido de carbono e sem queimar as mãos. Magnífico.)

8.21.2008

3
La tortura

(ou como juntar depilação e prisioneiros de guerra em apenas um post)

Depilação.*

Era o que eu faria aos prisioneiros de guerra e afins para os fazer falar.

Qual arrancar dentes a sangue frio ou partir dedos ou mergulhar a cabeça em água… Bandinhas de cera. E bem quente. Era vê-los a cantar as informações…


(Red, futura big boss de Guantanamo)


* Para o efeito pretendido, tremer profundamente ao ler a palavra enquanto imagina uma banda de cera quente a ser arrancada de uma superfície coberta de pêlos. Grandes, de preferência.

8.19.2008

3
PS ao post dos Jogos Olímpicos

Parabéns à Vanessa.

O Obikwelu mostrou ser grande (apesar de antes da prova ter prometido o que não devia...)

Tive pena do Gustavo Lima, merecia mais.

Tenho fé no Nélson Évora.





E estou à espera da comunicação do Phelps a qualquer momento a dizer que afinal é português.
(o Phelps tem um motor.)



Só para não dizerem que eu só falo mal dos nossos atletas, depois do Gustavo Lima ter falado no belo apoio portugues de mandar abaixo... lol. ;)

2
Os Jogos Olímpicos ideais para os portugueses (ou "como ir a Pequim ganhar a medalha de ouro da melhor desculpa"):

(É muito óbvio que tinha de gozar com isto, não é..?)

Ora pelo que tenho ouvido já descobri o ambiente ideal para os portugueses nos Jogos Olímpicos. Porquê?

Telma Monteiro culpou a arbitragem (esta menina é claramente do Benfica) e afirmou ter sido a única que estava no tapete para atacar. E que as outras estudaram para lhe ganhar. Pois eu concordo com a rapariga, isso não se faz. Malvadonas. Deviam ter tido medo do típico penteado e ter deixado a rapariga ganhar à vontade. Ora agora vão para lá para dificultar a vida e não deixam os atletas portugueses ganhar coisas…

Pedro Dias foi o grande judoca que em vez de ir para lá fazer alguma coisa de jeito pelo país não, foi mesmo para humilhar o João Derly que lhe tinha roubado a namorada. “Levei um par de chifres, mas humilhei-o”. Pois claro está que este é o novo grande propósito dos JO. Ora bem, para ajustes de contas não é preciso sair de Loures ou até mesmo do Bairro do Ingote. Para quê estar a ir gastar dinheiro a Pequim… O ar de lá até é poluído…

Marco Fortes declarou "De manhã só é bom é na caminha, pelo menos comigo”. Claramente do Sporting, para passar a vida a dormir. Eu compreendo que seja um choque o fuso horário. Afinal, o senhor nem estava nada à espera, aposto que ele só descobriu no dia da prova que às 9h de Pequim é de manhã. Eu até o compreendo. Mas se é para fazer maratonas de dormir eu conheço alguém que lá podia ia ganhar uma medalha…

Miguel Ralão Duarte foi o senhor que desistiu de uma prova equestre porque deu histeria na sua égua quando entrou em prova e viu os luminosos. Cá para mim a dita assustou-se com o nome do cavaleiro, isso sim…

Arnaldo Abrantes bloqueou quando viu o estádio olímpico cheio. Uma coisa completamente estranha, compreendo, uns jogos olímpicos num dos países do mundo com mais habitantes e realmente ter gente num estádio é uma coisa esquisita… Não me lembro se foi este que diz que chegou lá e ficou a ver como um observador e não como um atleta… “Tem de se aprender com as contrariedades. Eu gosto de aprender. Foi bom ter apanhado aqui este banhozinho... esta tareiazinha e agora ir para casa descansar", disse o senhor. E nós pagamos os bilhetes turísticos para sado-maso que vão lá levar tareias… Ó ‘migo mas não vá tão longe, a gente aqui também lhe dá!…

Por falar em bloqueio, já o Alberto Paulo diz que se sentiu preso durante a sua prova… Os meninos foram maus e não o deixaram ultrapassá-los…

Jéssica Augusto também é hilariante e diz que desistiu de correr os 5000m porque “não vale a pena”: ”Agora vou de férias. Treinei para os 3000 obstáculos. Não vou aos 5000m. As africanas são fortes. Não vale a pena lutar contra elas.” Pois está claro. Elas são grandes e correm e a menina é pequenina, não é… E a viagem está paga, e assim fica com uns diazitos de folga e tal…

Também gostei particularmente da Vânia Silva, a do martelo, que disse não ser “muito dada a este tipo de competições”. Bem que podia ter ficado a ensaiar o martelo na terra dela, um local bastante mais atractivo para os grandes atletas. Qual Pequim, qual quê… Ou Londres, depois… A rua da Vânia Silva é que é!


Assim, para os para os próximos jogos olímpicos nada de andar a construir estádios e piscinas e não sei que mais… Mandem tudo para a terra da Vânia Silva. Tudo não, vá, só os mais fraquinhos, aqueles que se deixem ganhar ou os que ajudaram a pôr algum enfeite na cabeça do atleta português. Também não mandem os árbitros. E façam as provas às escuras. E sem público.

8.17.2008

3
Considerações de férias (2):

Vi dois miúdos na praia a jogar rugby com uma lata de coca-cola.
(seria rugby ou futebol americano..?)
Esta juventude está mesmo perdida.

"Toda a gente sabe que com uma lata joga-se é futebol."

3
Considerações de férias (1): Como distinguir a família portuguesa da família estrangeira na praia.

A família portuguesa:

A que leva a mala térmica tamanho gigante.
E dois garrafões de tinto.
E o saquinho térmico dos iogurtes, fruta e sandes.
A que leva 3 chapéus de sol, 2 pára-ventos e 2 mantas para estender na areia, fora as toalhas.
E os brinquedos. E as bolas. E as raquetes. E as pranchas.
O pai que fica a torrar ao sol enquanto lê n'A Bola as misérias sobre o seu Benfica. Que chega ao fim do dia mais vermelho que o equipamento do seu clube. E que fura os tímpanos do povo com o rádio tão alto.
As criancinhas a correrem nuas pela areia.
"_ Mãe, tenho chichi!
_ Oh filho, faz num buraco e depois tapa-o com areia!"
A mãe a gritar pelas criancinhas para lhes pôr o protector. Meia hora depois de já estarem a assar.
O tio a tentar desesperadamente segurar o chapéu de sol.
"_ Ó Manel, o sol está para ali!
_ Cala-te mulher, eu é que sei!"
A tia a pedir desculpa às pessoas próximas pela areia que as criancinhas atiram.
A filha mais velha a torrar ao sol.
O filho mais velho a torrar ao sol. Na sua bela toalha com uma senhora nua. Enquanto espreita pelo canto do olho o topless da rapariga ao lado.
O filho do meio a pedir gelado. E bola de Berlim. E bolacha americana.
A que tem a avó de lenço na cabeça em plenos 40 graus a abanar a cabeça face à "desavergonhice das moças de agora!"
A de onde provêm os gritos.
"João, arruma o camião!"
"Mariana, não vás para o mar!"
"_Mãããe, tenho chichi!
_Outra vez?! Carlos, vai com o teu filho à água!"
"André, não enchas a tua irmã de areia!"


A família estrangeira:

A mais branca que estiver na praia.
Ou a mais branca que estiver mais vermelha.
A que tem os putos mais louros.
Não interessa se andam nus ou não, são os mais louros na mesma.


Não vão pelo falar estrangeiro: os emigrantes portugueses falam mais estrangeiro (questão: que língua é "estrangeiro"..?) quando cá estão do que os próprios estrangeiros.

7.28.2008

4
Breve revisão do fim-de-semana


Desporto (ou “eu a eles processava os meus pais ou os senhores do registo civil que aceitaram este nome quando me foram registar…”)

. Le Tour de France:
Andou a ocupar-me nas últimas 3 semanas e o Cadel Evans nem ganhou. Bah. Breves considerações:
Hincapie é nome de pokémon. O senhor para mim chama-se HincaPIIIe; Schleck é dos nomes mais engraçados de se dizer que ouvi nos últimos tempos. É tipo desenho animado. Ou onomatopeia de alguém que pisa uma coisa viscosa. E os Schleck são dois… fora o pai deles; Ten Dam (que – piada inteligente do dia – tem de ter cuidado com as roturas de ligamentos), Cunego e Tiralongo são outras pérolas substantivas.

. Taça do Guadiana:
Benfica: um treinador chamado Flores, uma equipa cor-de-rosa e uma Amélia, digo, Nuno Gomes, já seriam suficientes para uma pessoa se rir desta gente. Mas além disso, ainda têm um jogador chamado Urreta Biscaia. Pronto, já chega. Mais não, por favor. Nem tanto Aymar nem tanto à terra.

Actualidade:
Clarence Mitchell avisou Gonçalo Amaral para “ter muito cuidado” com o que saía no seu livro… Daqui se conclui: Clarence Mitchell = Pinto da Costa.

Cinema:
Eu fui ver e grande grande grande:
Eis que Heath Ledger deu um grande Joker. Apesar de Nicholson ter cara de psicopata mesmo quando faz comédias, este Joker parece-me mais perturbador/terrorista. E é isso que se quer. Se é para ser psicopata ou sociopata, que perturbe em condições. Aconselho eu, como aprendiz de psicóloga. Estou a estudar para me tornar numa. Psicopata? Talvez. "Eu quero é sangue!!"

7.23.2008

7
Aqui há dias perguntaram-me:


O que é um karité e como é que dá manteiga?

Ok, isto é um karité.




Ou vá, cinco karités.


Como é que dá manteiga é que eu cá não sei. A manteiga faz-se do leite. Será que o karité dá leite? Como a soja? Voltamos à discussão sobre espremer especímenes (substantivo giro) do reino Plantae? Ou será que o karité quando espremido já dá logo manteiga? Mas a manteiga é à base da nata do leite… Será que o karité dá nata? Será que dá para fazer chantilly?


Faz-me impressão pensar num karité a dar manteiga e numa amêndoa a dar leite. Já para não voltar a falar na soja.

Depois do aloé vera veio o karité. E subtilmente o mundo (principalmente o dos champôs) é dominado por plantas/frutos com nomes estranhos e mil e uma ou duas propriedades. Yupi.

(Pensou, pensou, e o mundo nunca mais voltaria a ser o mesmo…)

7.12.2008

6
Isto já não há condições

O rumo deste país assusta-me. A sério que sim.

Vem toda a gente falar do futuro porque os meninos só passam a matemática com exames que até quem não fez o secundário consegue fazer e não sei quê, preocupam-se com a saúde e tal mas nem é só isso!

Quando até os criminosos estão incompetentes, uma pessoa tem de se debruçar seriamente sobre o rumo do nosso país. É que se trata de uma tal falta de qualidade no trabalho que não é de admirar que a gente nunca chegue a lado nenhum.

Ora já não chegavam os belos dos assaltantes que nas fugas vão contra as portas dos estabelecimentos ou aqueles que deixam o produto do roubo para trás, agora também há tiroteios sem vítimas. Onde é que vai parar este país quando nem a criminalidade ocorre em condições?!

Dois grandes grupos de gente doida, caçadeiras e shot guns com fartura, tiros para todo o lado, em dois dias seguidos, e apenas 9 feridos. E ligeiros, ainda por cima. Andamos a brincar ou quê?! Se querem andar a fazer tiroteios na rua então que vão para carreiras de tiro para aprender a disparar. Balas para o ar, balas perdidas... Sujeitos a matarem um qualquer cão ou gato que andasse sossegadamente pelas ruas... Isto não há condições...

7.11.2008

2
E acaba aqui a saga de revolta (ou obsessão...) contra os Senhores do Tempo


E, ao sétimo dia, choveu.



(Começo a pensar nos meteorologistas com a lógica dos relógios parados, que conseguem estar certos duas vezes por dia...)

7.07.2008

2
Qualquer dia apareço numa valeta espancada por um Senhor do Tempo em fúria

Porra. Esta malta da meteorologia já chateia. Ah e tal, senhores importantes que tiram cursos científicos e não sei quê, que fazem serviço público para informar o povo das condições meteorológicas de uns quantos dias…

Chulos, é o que são. Recebem bem à conta de serem cientistas. Comem audiências (papalvos), mandam bitaites para o ar e são venerados por isso (todo o mundo quer saber o tempo. Não sabem olhar para a rua…).

Em contrapartida, andam a prometer chuva há uma semana. E o sol continua a queimar para os meus lados. Eu não me importo com o sol. Mas esta gente irrita-me. Só lhes pedimos uma coisa: que prevejam o tempo. É para isso que são pagos. E nem isso fazem em condições. Depois querem que o país ande para a frente. O que vale é que o povo não lhes liga tanto como liga aos camionistas, senão ninguém saía de casa com medo da chuva…

(economistas e meteorologistas: profissões desnecessárias. Sabemos bem mais que eles.)

Querem uma profissão de jeito,vinde para psicologia. Gente doida não há-de faltar. Mas vá, os Senhores do Tempo enganam-se e não chove. A gente engana-se a alguém ainda se mata ou mata alguém. Bem, ao menos tinha mais emoção…


(De tanto gozar com os senhores o tempo, qualquer dia levo com a chave do S. Pedro. E ela não deve ser levezinha. Ou então ganho o direito a uma nuvem privativa carregadinha de chuva, raios e curiscos para me perseguir. O que seria da pinta. Da pinta não, da bola, que é uma pinta muito maior.)

7.05.2008

3
Nem assim eles se lembram das letras…

Fui ver isto:
(aliás, o último destes por enquanto, segundo consta)

Ainda pensei que a presença dos senhores agentes da Autoridade fosse um motivo extra para o Reininho se lembrar das letras (coisa que não costuma ocorrer assim tão bem...). Mas não foi. Vá, estava um bocadinho melhor que o habitual.


Nos primeiros concertos era algo tipo ouvir e cantar e pensar “ah isto era depois, já me enganei”… “não, espera, isto era assim, eu tenho a certeza…”… “o homem não sabe as letras!”
Muito ingénua, eu, pensar que o senhor devia saber as letras das suas próprias músicas. Que nem são muito complicadas. (Vá, uma ou outra frase sem sentido… mas gira e tal… estou-me a lembrar da Ana Lee… Uma grande música… que ele não cantou, bolas.)

O cúmulo do estrelato: os fãs (gritos e gritos “Dá-me a tua camisola”, “faz-me um filho!”. Ou então não, pronto. Mas “fãs” faz-me logo lembrar uma grande maluqueira xD ) saberem melhor as letras que os próprios músicos. Anda cá Reininho, que a gente ensina.

GNR rocks. Um belo concerto. E os senhores agentes da Autoridade também estiveram muito bem.

(muito triste é ter ouvido Mais Vale Nunca e a Pronúncia do Norte do lado de fora do Estádio… bolas.)

7.02.2008

2
03/07/2008:



“Everybody was kung-fu fighting
Those cats were fast as lightning
In fact it was a little bit frightning
But they fought with expert timing”
(Carl Douglas. Reminiscências de One Tree Hill, que tinha um belo remix disto num dos episódios…)



(kung fu e sushi...tem de ser...)

6.28.2008

4
Pensamento do dia:

A estupidez tem uma certa fluência.
Quando pára… é chato.

(O chinês é um local que inspira dissertações. Sobre gambas. E estupidez. Mas para estupidez qualquer lugar serve. E vá, para gambas também.)

6.25.2008

6
“S. João, S. João, S. João dá cá um balão para eu brincar…”

Foi um fim de semana de rambóia, sardinha, bolos de gema e algodão-doce. Martelos não, mas tinha um moinho de vento, também serve… e, como não podia deixar de ser, a bela da cultura popular. Pois este S. João foi muito produtivo. Deixo-vos um arzinho:


“Estava a assar sardinhas com o lume a arder
Queimei a pilinha sem ninguém saber
Se fosse outra coisa eu nem me importava
Mas era a pilinha que eu tanto estimava”

Bonito. Poesia. Para o ano há mais!
(Próximo desejo a ser satisfeito: sushi.)

6.20.2008

2
Bola redonda e movimento pró-sardine

Cá estamos, cá estamos… (/momento Gato Fedorento)

Bem, pois cá havemos d estar. Lá já não estamos. Em parte graças a este grande senhor:



Mas calma: acho que descobri o grande problema da nossa selecção, o que nos impede de marcar golos, de fazer passes eficazes, de defender como devíamos. O grande problema da selecção é mesmo a bola ser redonda. Parece-me bastante claro. E não é por termos perdido: a bola sempre foi redonda.

Mas vá, adiante, esses já lá vão (aliás, vêm… voltam… isso…).

Agora que já passou a febre do Euro (ou não, que a Holanda ainda joga e há-de ganhar a questão) já me posso dedicar inteiramente a apoiar essa tão nobre causa…



...a defesa da sardinha.

Eu defendo-a. Defendo a sardinha de toda e qualquer maldade que lhe queiram fazer:

  • Defendo que a sardinha seja espécie protegida, para não a amassarem toda quando a estão a pôr nas caixas de peixe;
  • Defendo que as pessoas não se devem aproveitar da sardinha para roubarem o povo: a sardinha devia ser era oferecida;

  • Defendo que a sardinha só deva ser pescada depois de deixar um grande legado de sardinhas-filhas. De modo a que a sardinha nunca se esgote no prato e não suba ainda mais de preço e de maneira a que haja petinga para fritar à vontade.

  • Defendo que a sardinha não deva sofrer o drama de ser enlatada: deve ser comida ao natural, assadinha, com broa debaixo e regada com azeite.

SARDINEEEES! Venham elas. Só faltam 4 dias.




(é de mim ou o anúncio da coca-cola com as sardinhas não tem ponta por onde se lhe pegue?! Sardinhas com coca-cola?!! Hereges!)

6.16.2008

2
o cão azul é que sabe:


6.10.2008

4
Impossibilidades físicas

  • Pessoas que andam em cima de saltos agulha de 10cm o dia todo e não se queixam dos pés...
  • Pessoas que andam com saltos agulha nas belas calçadas de Coimbra...
  • Pessoas que até conseguem correr com eles ou coisas parecidas...

...não podem ter pés.

Até podem ter um ouvido interno muito desenvolvido para o equilíbrio e tal, podem ter muita coisa, mas pés não devem ter de certeza.

É fisicamente impossível elas terem pés e não se queixarem. Um dia inteiro. Não pode. Não podem ter pés. Devem ter cotos em vez de pés ou pernas de pau ou qualquer coisa assim.

6.04.2008

5
Aprendam, que o senhor não dura sempre.


O Pio Abreu é grande. Uma pessoa queixa-se da bibliografia de Psicopatologia porque, pois claro, disto não nos mandam eles ler. E olhem que acredito ser uma boa maneira de memorizar melhor as características das adoradas perturbações que damos nas aulas…

Como tornar-se doente mental é brilhante. Ensina-nos como nos tornarmos uma série de coisas giras que povoam a bíblia do pseudo-futuro-psicólogo (como eu): leia-se, o DSM. É ou não é uma grande ideia? Senão vejamos: o que resulta melhor do que a psicologia invertida?! (Se não sabe o que isto é, chegue ao pé de alguém e diga-lhe “está… uma coisa… no teu ombro… mas não olhes!!!” e já fica a saber.) É que se havia gente com dúvidas, tem aqui um belo manual. E nós agradecemos por ter trabalho.

Cá ficam uns belos ensinamentos:

Como tornar-se… fóbico:
"Se o leitor quiser ser fóbico, existe uma palavra que tem de retirar do seu dicionário: medo. Você está com as pernas a tremer, o peito afogueado, o coração a bater insuportavelmente, os pêlos eriçados, desfaz-se em suores frios, tem os olhos arregalados, mas não tem medo. Tem antes uma fobia, um ataque de pânico (passe o estúpido nome que os psiquiatras lhe deram), uma crise nervosa, mas medo, nunca.

Como ter… ataques de pânico constantes:
"Atente minuciosamente na sua cabeça e verifique a desconcentração que isso lhe dá, bem como as tonturas que a hiperventilação lhe provoca (esquecendo porém esta relação de causa e efeito): sentir-se-á perante a proximidade da loucura ou a possibilidade de desmaiar. Concentre-se nas dificuldades de respirar, preocupe-se com a garganta, a falta da sensação do suspiro, e logo pensará que lhe vai faltar o ar (é uma grande ajuda que o nariz de vez em quando se entupa, levando-o ao hábito de forçar a respiração).
Preocupe-se ainda com o seu estômago a borbulhar (consegue-o depois de baralhar suficientemente os gases corporais, suspirando ou engolindo ar depois de comer) e logo se sentirá desfazer-se em diarreia ou vítima de congestão.
Escusado será dizer que, em todos estes casos, você se vai assustar genuinamente e chegar ao descontrolo, o que o leva a respirar mais ainda e a complicar tudo até à exaustão."

Como tornar-se… paranóico:
“O seu lema deverá ser: CONFIAR NOS OUTROS É A COISA MAIS ESTÚPIDA QUE EXISTE. O paranóico não esquece nem aceita traições. Se optou por ser paranóico, não vá nessa. Você é superior a todos esses miseráveis. É a honestidade em pessoa e nunca praticará traições. Está sempre vigilante e apto a fazer justiça ao primeiro sinal de más intenções dos outros ou à mínima possibilidade que isso aconteça. Isto significa que irá exercer justiça desde o início de qualquer relação. Se alguém ousar argumentar as suas razões – NEM SEQUER O OIÇA – porque ele apenas está a admitir que o traiu. Contra-ataque ao mínimo sussurro, pense e exponha a razão que a si próprio lhe assiste (TRANSFORME-SE NUM CHATO) e prepare-se para fazer justiça.
Quem quer ser diagnosticado como paranóico tem que se habituar a ver os outros como invejosos, ciumentos, coléricos, ressentidos, mal intencionados, e não pode perder a mínima oportunidade de lhes dar a entender tal facto. Em resposta, aqueles perderão o controlo e tornam-se piores do que você. Isso vai dar-lhe um grande alívio e montanhas de novas razões para justificar o seu comportamento”.

Como tornar-se... obsessivo-compulsivo:
"Se você quiser ser obsessivo-compulsivo, a primeira coisa que se tem de convencer é a de ter de ser perfeito. Sabe muito bem que todos os outros são pessoas cheias de defeitos e vícios, por isso sentir-se-á superior a todos. Claro que levará uma vida desgraçada e dolorosa, mas a vantagem moral de ser superior aos outros compensa o suficiente. Aos poucos habituar-se-á mesmo a tirar partido da sua desgraça e acabará por ter prazer com a sua dor. O masoquismo afinal também existe."


"Se não mentir a si próprio, descobrirá que é uma pessoa com limites e deixará de querer ir a todas, como fazem os fóbicos. Também não será dono da verdade nem tão importante como são os paranóicos. Não será o mais perfeito, o que fica para os obsessivos, nem tão brilhante ou poderoso como os histriónicos ou psicopatas. Não será uma pessoa muito especial, como os esquizofrénicos, nem um génio, como os maníaco-depressivos. Será apenas uma pessoa comum que aceita os desafios e os paradoxos da vida, faz o possível para, em cada momento, dar o que pode e actuar em conjunto com os outros. No entanto, tem de assumir a responsabilidade completa das suas acções. Afinal, todos fomos expulsos do Paraíso e condenados à solidariedade. Fizemos das fraquezas forças e, uns com os outros, construímos coisas admiráveis.
Convenhamos, entretanto, que tudo isto é muito complicado, pouco gratificante e difícil de fazer. Fácil, fácil, é mesmo tornar-se doente mental."
in Como tornar-se doente mental, de Pio Abreu


Uma questão: os doentes mentais têm maçãs a tapar-lhes a cara…? Isso não vem no DSM.

5.28.2008

5
A CP, o belo do Ramal da Lousã, o atum e puns de contentamento.

Hoje descobri que a CP resolveu baixar os preços dos passes, incluindo no meu belo Ramal (sim, eu tenho um Ramal. Pago 40€ todos os meses para isso.). Os bilhetes subiram, os passes baixaram e até baixaram mais do que o que costumam subir. Ena!!!! Oh para mim tão contente! (/sarcasmo)

Os passes baixaram;

Isto
Depois de volta e meia (mais volta do que meia; eu nem tanto porque mal me lembro de ir para Coimbra às 8 da manhã...eheheheh mas ainda acontece, que eu sou uma estudante aplicada) viajar qual atum enlatado 45 minutos até Coimbra. Atum enlatado como quem diz, que acho que há atuns que têm mais espaço (caso se queiram mexer dentro da lata) do que o povo tinha ontem de manhã naquelas maravilhosas carruagens.
E
Três meses (ou isso) antes de a linha (teoricamente) fechar para obras por tempo indeterminado (obras são sempre por tempo indeterminado, mesmo que tenham prazo.)


Pois sim, amigos, adianta de muito. “Ah, já não pago 41€ e tal, pago só 41 ou 40€, mas cada vez vou mais enlatada, demoro quase uma hora a lá chegar e daqui a uns meses nem enlatada vou que deixa de haver comboio!”



É realmente de deixar uma pessoa feliz. Tive de me controlar para não andar a dar puns de contentamento (como o Bruno Nogueira diria) pela estação e pelo comboio. Primeiro, podia ser considerado um genocídio, se fosse na carruagem. Segundo, eu sou uma jovem educada.

(Ah, esperem, já estou a ver. O preço dos passes é assim tão elevado porque temos direito a viagem E sauna..!)
(o bafo (no melhor dos casos...) de tanta gente dá mesmo para abrir os poros todos...)

5.26.2008

14
Expressões non-sense com bacalhau à mistura

"P'ra quem é, bacalhau basta".

Eu uso bastante esta expressão... mais uma directamente provinda do nonsense. E do bacalhau. Indica que excusamos de nos preocupar muito porque para quem é não vale a pena o trabalho que temos (muito aplicável nalguns trabalhos da faculdade).

Isto levanta uma porrada (vá, 2 ou 3...) de questões:

1º: O que raio é "uma porrada de questões"?! que sentido tem muitas questões serem uma porrada?! Porrada=contacto físico violento, não advérbio de quantidade.
(Quando até o calão deixa de ter sentido verificamos que o mundo está mesmo perdido...)

2º: O bacalhau, embora não sendo o meu bicho preferido (se bem que com natas ia já...), não é propriamente baratinho. Não é baratinho e é estrangeiro, porque toda a gente sabe que o bicho vem da Noruega. Mesmo aquele que é de cá, com o convencimento da malta do norte da Europa, deve vir a nadar da Noruega: toda a gente sabe isso. Sendo caro e de fora, ainda tem algum prestígio. Como tal, como pode significar que a pessoa não tem importância que chegue para termos um grande trabalho por ela?!

O bicho é importante!!! Presente nalguns pratos tipicamente portugueses! (quer dizer, já que o bacalhau é da Noruega não sei porque é que nós é que temos os pratos típicos... é a mesma coisa que a chanfana ser de Miranda City e Poiares é que vai à televisão mostrá-la...)

3º: É um bicho com nível. Não é um qualquer desconhecido de quem falamos mal, pois tem um rosto (caras de bacalhau) e tudo. É um bicho com identidade. É bacalhau, tem cara, é da Noruega. Porque raio o menosprezamos assim a usá-lo a título depreciativo?!


O bacalhau, além das razões idiotas para esta expressão ser mais non-sense que outra coisa, está ainda mais presente na gíria portuguesa:

"Aperta aqui o bacalhau"- meu Deus, o que é isto? O bacalhau pode ter caras (quem vê caras não vê corações, talvez por isso não pensemos no mal que fazemos à auto-estima do bicho), pode ser da Noruega, ser importante e não sei quê, mas não exageremos, ainda não tem mãos. Além de ser difícil dar "passou bem" a indivíduos com barbatanas (loool), quando o bicho chega à nossa presença já vem tão espalmado que não dá para apertar mais. De onde raio vem isto então?


É com cada uma...


(Mais uma ficha, mais uma teoria de caca. E sobre comida outra vez. E não me pus eu a dissertar sobre as cerejas - principalmente porque não têm nada a ver com bacalhau. A gula...)

5.24.2008

5
O meu último vício (ou "ai que eu não saio mais do Mac!")

Minha gente estas ciabattas são de comer e chorar por mais... Bacon, queijo e maestro, uma por semana… Meu Deus, tirem-me daqui. São mesmo boas, pá. Não consigo resistir.

(Isso, Li, e um Mac por MC City, não…?)

5.21.2008

7
Eu vs Senhores da Meteorologia

Quem percebe mais disto, eu que fui de t-shirt e esteve sol e pseudo-calor o dia todo lá para Coimbra ou os senhores da meteorologia que deram descida de temperatura e chuva para o dia todo de hoje?

Cada vez tenho mais confiança na minha teoria: sair com chapéu de chuva de casa só se estiver a
chover ou se o tempo estiver com cara disso.



Quem percebe mais disto? Eu, claro. Pressões atmosféricas, temperaturas, humidade, etc? Não. O “ar” que o tempo tem quando eu saio de casa é muito mais fiável.

5.16.2008

4
Story of my life


5.12.2008

6
Os maiores



“Temos aqui mais gente às 5 da manhã que Groove Armada…”

“Tiago Bettencourt, és um menino.”

“Tu és o dux da academia
E estragaste a minha queima
Vou comprar uma pistola de pressão
Para te dar uns tiros nessa peida”
(Quim Barreiros – Mestre da Culinária)

“Domingo,
Cortejo,
Bocejo,
Os meus pais vêm cá…”
(EzSpecial – Menina bonita (sinto saudade))

“o meu sonho é chegar um dia a ser dux
Ou não
Tal não é possível com a lei da prescrição…”
(Yves Larock – Rise Up)

“_Dá-me o telemóvel
_ Na na, na na!”
(Offspring – Pretty fly (for a white guy))



EDIT: estes meninos praticamente foram expulsos do palco. Vá-se lá saber porquê… (talvez mandar o dux fazer coisas badalhocas e não-dizer-lá-muito-bem da comissão da queima tenha alguma coisa a ver com isso...) Primeiro desligaram as luzes… por fim desligaram o som… mas os meninos lá continuaram, e o povo gritava “olé pitagórica!”.
(Qualquer coisa de certa forma semelhante ao povo a torcer pelo touro na garraiada: “e salta touro, e salta touro olé, olé” e “o touro é quem manda aqui”…)



(Epah e uma semana de férias depois da Queima, não...?)

5.09.2008

0
Sinto que o karma está do contra quando…

O carro é roubado e observamos que até o raio de um papa-reformas tem alarme.


Eu não tenho carro. Mas se tivesse não achava isto bem. E o papa-reformas ali fora a ladrar de 5 em 5 minutos irrita-me profundamente. Tendo em conta que não são muitos os carros ditos vá, normais (e por normais leia-se pequenos e tal… como um peugeozito ou um ford...), com alarme. Porque é que o papa-reformas tem alarme?!!! Quem é que vai levar aquilo?! Só se for para o proteger de pessoas que pegam nele em mãos para o mudar de sítio se ele estiver a atrapalhar um estacionamento… (não conheço ninguém que tenha feito isto, apenas ouvi dizer por aí, claro… Um papa-reformas é leve… segundo as minhas fontes, eu cá não sei, como é que havia de saber…)


(nova sondagem sobre a Emanha)

5.03.2008

3
Monumental, como sempre, mas numa noite diferente

Ainda dizem que os estudantes de hoje não lutam, não se insurgem, não protestam ou não defendem os seus direitos...


(Vá, talvez ainda o façam… contra o próprio Conselho de Veteranos... lol Ainda é linxado, o Dux..eheheh)

Mas, porque a noite era de tradição…

E PARA A MALTA DE COIMBRA NAO VAI NADA NADA NADA?

TUDO!

5.02.2008

1
É monumental e é hoje.

À meia noite tracemos as capas e façamos silêncio, que se vai ouvir o fado. De Coimbra.


4.30.2008

10
E o prémio para melhor praxe da temporada vai para…

A minha pessoa.

(melhor ou, pelo menos, mais hilariante)

E para o grande rolo de papel higiénico “gentilmente cedido” (vá, talvez não tenha sido propriamente “cedido”…) no departamento das matemáticas (capas grandes dao jeito para...trazer rolos "gentilmente cedidos" das matematicas... mesmo que a sra no-lo tenha tirado uma vez... ahah ganhei, toma toma toma.).


Basicamente, o enquadramento da praxe resumia-se a:

· um rolo de papel higiénico grande, dos das casas de banho publicas;
· eu a segurá-lo no cimo das escadas monumentais;
· dois caloiros 100 degraus/3 patamares abaixo (podiam ter sido os 125…);
· duas caloiras, cada uma de seu lado em relação à minha ilustre pessoa;
· uma caloira estafeta para segurar o papel a meio caminho porque tava vento e antes que ele se rasgasse

E…

“CÁ VAI ROLO!!!”


Ora bem:
Eu segurava na ponta e largava o rolo a rebolar pelas monumentais abaixo.
As caloiras que estavam ao meu lado iam a correr escada abaixo a tentar acompanhar o rolo.
Os caloiros lá de baixo esperavam pelo rolo.
Agarraram-no.
E a função deles os 4 depois era… vir a enrolar o rolo escadaria acima direitinho outra vez. E a caloira estafeta (lol) estava no meio do caminho a segurar o papel para não se rasgar.

E toda a gente se ria.

Até começarem a cantar.



Ainda dizem que a praxe é violenta… Bolas, isto é tipo praxe_jogos_sem_fronteiras! É divertido! Foi mesmo hilariante. Tentem imaginar 2 almas a correr escada abaixo atrás de um rolo de papel higiénico, e depois 4 almas a subir rapidamente as monumentais a enrolar um rolo de papel outra vez e, conforme as minhas indicações (e da Elsa, mas ela nao era exactamente assim que dizia..eheheh), DIREITINHO QUE AINDA VOS VAI SER PRECISO!



E a outra carrada de praxes que dá para fazer com um rolo daqueles… Papel higiénico nunca matou ninguém…

Ai a praxe… (mas andaram a limpar as monumentais com o papel higiénico… e divertiram os ingleses turistas… muito serviço cívico…)

Doravante, esta (e suas variantes):
Real Praxe do Papel Higiénico.
Pela Dra. Red.



“Só visto”. Mas… naaaa... não posso cá meter o vídeo… :P