4.29.2010

0
Red ganha uma irmã (ou "Red na Zara Kids")


O que têm é só o que está exposto?
Diga, o que procura
Hum... aquelas sabrinas vermelhas ali... Só está até ao 33...
E que número quer? Eu vou ver se há ainda alguma coisa no armazém.
Pois, hum... Não sei... Eu, eeer, a minha irmã calça praí... 34/35...
Ok, só um bocadinho que volto já.
...
Aqui está.
Ok, obrigada. Mas... hum... olhe... estas não têm tirinha? É que eu gostava, quer dizer, a minha irmã gostava da tirinha...
Não, estas não têm, é só até ao 33.
Ah... ok...
Mas se não lhe servirem ela pode vir cá trocar, tem 30 dias.
Sim sim, mas acho que não vai ser preciso, obrigada! Vão-me-lhe servir de certeza!

É que são mesmo giras, porra. E de criancinha sempre sai mai'barato, Haja vantagem de passar vegonha!

4.27.2010

0
Creio que o meu cérebro está cozido. Ou, pelo menos, em férias. O cérebro, não eu. Pois que falemos sobre o tempo saramagoamente, portanto.


Ora então vamos falar sobre o tempo pois que eu estava farta de chuva e ainda na semana passada houve inundações feias para estes lados do mundo e agora ando para aqui a derreter mas isto é pior que o Deus me livre e parece que vai chover outra vez e oh diacho dear S. Pedro nós até já sabemos quem desce de Divisão e supomos quem vá ser o campeão por isso deixa lá o zapping e orienta-te de uma vez com o raio do tempo.

«
Ainda na semana passada, a fazer fé nos jornais, houve um 'minitufão' no Algarve e outro em Lisboa. Na impossibilidade de sermos visitados por tufões, temos minitufões. Note-se que a expressão 'minitufão' nem sequer faz sentido. Não há, por exemplo, microgigantes. Um minitufão é, na verdade, um tufinho. Na semana passada Portugal foi, portanto, assolado por dois tufinhos, Não é especialmente assustador.
»

RAP, na sua crónica semanal na Visão

4.22.2010

6
E ele aí está (ou "eis o dito cujo")


Digam lá que este não é um blog de serviço público... Nos próximos tempos, na música da semana, vou-vos mostrar as razões para eu investir num bilhete geral. Estamos em countdown!

3
Muahahahahah.

A modos que tenho um contacto de um professor da santa faculdade.

Opções:
  1. Leiloar com ex-clientes descontentes. Sobretudo se forem ex-reclusos, que deve meter mais piada;
  2. Escrevê-lo nas casas de banho públicas, acompanhado de convites tarados e descrições badalhocas;
  3. Publicar na net, criando um facebook falso com uma cara de gaja toda boua;
  4. Ligar-lhe de outro número qualquer a altas horas da madrugada só para o chatear.

Not, vá, pode não parecer mas eu sou civilizada. E a modos que o senhor é o meu ídolo (digamos que ele não bate nada bem das ideias), por isso tenciono respeitá-lo. Mas só por isso, que de resto há toda uma anti-social delinquente e maluca pronta a libertar-se em mim em qualquer momento de necessidade ou da p*ta da lócura.

4.21.2010

2
Eheheheheh vá, pai, eu sei que tu não és desses...

Imprensa nacional de hoje:


"Câmara de Coimbra corta acesso ao Facebook.
Não há farmville para ninguém porque os computadores estão ao serviço público."

O Encarnação é que sabe. Espero que não tenham descoberto só agora estas questões da produtividade. É que para andar a jogar Travian ou para plantar e apanhar café na Farmville do Facebook alguma coisa deve ficar por fazer no horário de expediente, que nos intervalos é para se ir beber café a sério. Já não chegam as tolerâncias de ponto e a boa vida à conta do Papa, ainda andavam a apanhar morangos de meia em meia hora? Toca é a trabalhar que é bom e dá saúde.

E o que eu tenho a dizer em relação a isto é:


Eheheheh 'tadinhos, tão boas pessoas e trabalhadoras.....

4.18.2010

1
Red in the real life.


Isto não me saiu da cabeça o dia todo. E sabe-me a Domingo. Must mean something.


Sondre Lerche - Dan and Marie final theme (do Dan in the real life)

4.15.2010

1
Sim, ok, eu sei que até saí no jornal e tudo.


Mas mãe, escusavas de pôr tanta gente à minha procura só porque tinha o telemóvel desligado durante menos de uma hora. Easy, mom. Há uma coisa de seu nome "b-a-t-e-r-i-a". E que às vezes acaba. Não é o mundo, é a bateria. Por isso respira fundo e conta até 10 em vez de pôres todo um povo (vá, mais ou menos) atrás de mim.

4.14.2010

1
Melhor. Publicidade da Queima. De sempre.

Tenho a dizer - e não sejam badalhocos, fala-se aqui de insígnias, pá - que o meu grelo está bastante calmo, ali arrumadinho na gaveta, já queimadinho e tudo, não sai de lá tão depressa. Agora as fitas que venham outra vez este ano. Antes dois anos de fitas que dois anos de cartola: dois anos de cartola sai caro de andar a mudar as cores do conjunto de um ano para o outro e não dá entrada à borla na garraiada! Além disso a cartola não dá para abanar de forma bonitinha e ainda nos sujeitamos a levar com as pancadinhas - not - da boa sorte. Se me fizerem dessas na altura, dar-vos-ei tamanha bengalada que até andareis de lado!

4.13.2010

1
Pois desta vez a culpa foi da Xana.


nesta altura foi a mesma coisa.


Namoradas sportinguistas deste mundo (como eu): deixai de ser cromas (como eu) e de comprar bilhetes para o derby como prenda de anos para os vossos namorados lampiões (como o meu). Como há dois anos, a história repete-se e é o namorado lampião (como o meu) que vem contente para casa. Eu já me deixei dessas coisas, a Xana hoje também aprendeu que não é a melhor ideia. Claro está que o Benfica só ganha porque vocês compraram os bilhetes (como eu) para oferecer aos vossos queridos (ou não) namorados lampiões (como o meu) e, já que compraram p'ra eles, até parecia mal ser o Sporting a ganhar. Mas chega. Esqueçam lá isso. Se querem dar-lhe um bilhete dêem-lhe um de comboio e já vai com sorte. E se festejar muito dêem-lhe só de ida!

4.12.2010

1
My point exactly.

4.11.2010

1
A maioria dos caucasianos são frutos da maionese (ou "mais um post non-sense").


Os pala-vermelhas advêm do ketchup.

E se se me nascer uma criancinha amarela, saberei que é resultado dos meus intensivos desejos por mostarda.

4.08.2010

6
Vocês sabem que eu gosto de fazer as melhores reviews sobre estes acontecimentos académicos.


Hoje vi conferências das jornadas multidisciplinares da santa faculdade. E vi também o Alvim de pijama, às 10 da manhã.

Minto.

Hoje vi o Alvim de robe bordeaux, chique como ele só (ou não), acabado de acordar e com tamanha cara de estremunhado que faz frente ao meu apêndice.

Pronto, e era só isto.

Aaaaah, não era nada.

Não só de pijama e estremunhado (improvisação é bom e eu gosto!), como também a cantarolar "diga bom dia com mokambo", enquanto a malta tentava ligar o pc ao projector para pô-lo em contacto com a plateia via skype, ele lá em casinha dele e a malta no auditório da reitoria da UC.

Vivam as novas tecnologias, portanto. Saber de conferências pelo facebucas (finalmente encontro utilidade naquilo), conferenciar com o Alvim através do Skype... Aliás, também pela influência das novas tecnologias quase senti que estava na televisão. Isso aconteceu quando vi o Dr. Quintino Aires e o Hernâni Carvalho juntos ali naquele auditório. Senti-me logo no programa do Goucha. Por momentos tive, até, receio de ouvir os guinchos da Cristina Ferreira atrás de mim. Mas não, foi só o susto. Mas não levem a mal, eu até gosto de ouvir falar o Dr. Quintino Aires! Sobretudo porque há sempre alguém da mesa com quem ele manda vir, e hoje não foi excepção. Qualquer dia faço um negócio de apostas ainda antes do senhor chegar: "desta mesa, com quem achas que ele se vai pegar hoje?". Pode render, que é imprevisível, mas é certinho.

Mas vá, posso ser ruim e querer fazer apostas com os instintos agressivos dos outros, mas ao menos não sou como a R. (eu não vou aqui dizer quem és, Roberta...), que vê o Doutor Pinto da Costa por trás e confunde-o com o sem-abrigo das Químicas. Não bebas, rafaela, não bebas que isso mata neurónios. Coitado do homem. É o meu ídolo. Já não casava com ele, que o Duarte Nuno Vieira é mais novinho e é o maior, mas ainda assim o Pinto da Costa é um espectáculo. Obviamente que estou a falar do Doutor Pinto da Costa, o médico-legista, o fixe, o sábio de humor acutilante, e não do seu irmão, o sujeito que qualquer dia é encontrado morto não numa valeta mas num túnel (o orelhas pode ser pacífico, mas os no name não são... heheheh); com esse eu só conseguiria estar 30 minutos a ouvi-lo sugadita se fosse para, no fim, poder dar-lhe 3 tiros com a minha carabina, de preferência em sítios dolorosos e não letais (amiga, que eu sou).

E pronto, esta é a review das jornadas deste ano. Só falta mesmo falar da activação dos meus esquemas bullys por uma sótôra (deve ser deve) que foi, exactamente, falar de bullying. Tanto a moçoila falou que eu já nem estava em mim, prestes a ir-lhe à boca ver se ela se calava que já me estava a irritar profundamente. Credo, que nem deixava falar ninguém nem dizia nadinha que se aproveitasse. Quando for grande também vou dar conferências "porque tipo". Coiso. Ya. ... Todo um instinto homicida activado em mim, portanto. Fofa, eu.

4.05.2010

2
Pronto, Sócio, esquece lá isso, a gente arranja-te outra criancinha...

O problema não é a criancinha emocionada do Benfica já ter pai, isso era irrelevante para o caso. Também não era já ter nome (Cláudio, chama-se a criancinha), pois no seu cartão de cidadão iria passar a constar "o sócio junior". Também não havia problema de ser de longe, Águeda aqui tão perto (mais ou menos), era só ir lá buscá-lo.

O problema é que veio na capa do 24 Horas, esse tão nobre not espécime da imprensa escrita nacional (e como vir no 24horas não é suficientemente triste, ainda a pobre criancinha tem de partilhar espaço da capa com a traveca filha do néné).

Sócio, arranja outro.


Bolas, que o puto é mesmo patusco.

4.02.2010

2
Estão a ver o miudo emocionado no primeiro golo do benfica...?

Creio que o meu irmão acabou de arranjar um filho. Pois que o Sócio não vai ter um filho, vai escolher um filho. Vai à Luz, num dia de jogo intenso, ver quem é a criancinha que mais se emociona com o seu glorioso e vai ensiná-la a dizer "papá sócio", indo de seguida com ela ao registo civil alterar a sua cédula pessoal de criancinha-com-um-nome-qualquer para "O sócio júnior".

(por falar em criancinhas emocionadas eheheh, até tenho receio que o meu apêndice não volte da Luz, com tanta excitação, e que me fique para lá agarrado à estátua do Eusébio ou a rebolar na relva que é território sagrado, ou a fazer qualquer coisa do género... minha nossa senhora!)