5.18.2010

3
RIP ao sócio-móbile. Descansa em paz, minha (do sócio, vá) máquina infernal.


Relembro agora (mas só agora) com saudade os tempos em que nos deixaste apeados no meio do nada a comer cerejas à beira da estrada enquanto esperávamos pelo pronto-socorro.

Relembro também a atenção de não teres parido na minha mão naquela viagem a Coimbra na semana passada.

Relembro ainda o cheiro a bicho morto que emanava da tua mala, porque o exmo Sócio num dia se lá esqueceu de qualquer utensílio cheio de carne.

Já sinto saudades do fumo que saía dos teus interiores quando se andava um bocado mais que o que devia. Saudades do cheiro a queimado quando arrancavas depois de andares demais... Saudades da luz do óleo a piscar incessantemente... Saudades de raramente pegares à primeira e de assustar os senhores do McDrive com tamanhas acelerações...

Only the good die young, mas tu eras mais velho que o cagar, por isso paz à tua alma que resolveu partir numa bela segunda-feira de manhã num semáforo deste mundo. Eu e o Sócio estaremos sempre contigo. Ele vai estar, pelo menos até ires para o abate.

3 Pessoas leram e ainda comentaram!

rosa disse...

É duro mas tudo tem um fim... vais ver que ultrapassas isso num instante ;)

Mariana & Roberta disse...

Deixa lá, pelo menos podes dizer que já tiveste um carro. Nem todos ("EU") têm essa sorte...

Bom fim de semana!

Red disse...

eu não tive. era do meu irmão. loool apenas andei nele. ;P