12.23.2011

0
Já não falta tudo...


... para pôr isto como toque de telemóvel:


Vulgo "twisted nerve".

Já me estou a imaginar, nos dias em que vóvó liga 8 e 9 vezes (não, não estou a hiperbolizar, "saber esperar" é coisa que a ela não se lhe assiste), eu já de cabelos em pé e o telemóvel sem se calar - quando a música chega ali aos 1:11 minutos, o drama, o horror, a tragédia!, é a banda sonora perfeita (que é quando os meus instintos homicidas se começam a salientar).

(por falar nisso, vê-de como também assenta lindamente neste clipezinho de American Horror Story, o meu novo vício)

12.20.2011

1
Claro, mãe, os vermelhos são para as normais e os azuis para as rapidinhas...


_ Epá afinal não havia problema. O correio já estava fechado, mas como só faltavam os selos comprei-os cá fora e pus as cartas no marco.
_ Então mas compraste os selos onde?
_ Na máquina de selos, ela estava a funcionar...
_ Máquina de selos?
_ Sim, a máquina de selos que está do lado de fora, ao pé dos marcos do correio.
_ Ai isso é uma máquina de selos?!! Eu sempre pensei que aquilo fosse uma máquina de preservativos!!!

12.14.2011

0
Há anos cujo número não deve ser pronunciado





3
E agora meet a agenda 2012 da Red:


A minha pessoa tem agendas - e utiliza-as -, mas tem com elas uma relação demasiado moderna para os meus gostos. A modos que sim, aponto tudo, a dita anda sempre atrás de mim na minha mala, para todo o lado, mas depois vai-se a ver e já estou a traí-la com a agenda e os lembretes do telemóvel - porque, para grande inconveniente das pessoas altamente distraídas, as agendas de papel ainda não apitam, e a apontar assim duas vezes em sítios diferentes acabam por ser poucas as coisas que me esqueço.

Mas, antevendo um ano ocupado (espera-se) e cheio de coisas que é preciso apontar, resolvi querer uma agenda especial e, a dar o dinheiro, ao menos que fosse por uma coisa que tivesse a ver comigo e não por uma qualquer agenda manhosa ali do Jumbo ou assim. Resolvi, portanto, chatear a Maria Mariquitas, uma pessoa que, sendo homónima, só poderia ter bom gosto e que, em vez da minha super agenda, acabou por me tratar de cinco encomendas, que se me chegaram em embrulhos altamente fofinhos (um obrigada a ela, que tem mesmo jeito para estas coisas!).

Eis, portanto, a minha mariquitas, uma agenda que é a minha cara.
(e pela qual, como narcísica que sou, estou completamente apaixonada)
(e ainda que combina na perfeição com o layout aqui do estaminé!)


Não é absolutamente espectacular?! Diz Red Maria com todas as pintas!

12.13.2011

0
Meet Red:



Também conhecida como Monstra das Bolachas.

Ainda agora fiz um carradão de bolachas e já as despachei quase todas.

12.07.2011

4
Eu disse que tinha chegado aos 23, mas não referi especificamente que me referia a 23 anos de idade...


Acabo de concorrer a um passatempo para ganhar bilhetes para a ante-estreia do Rei Leão em 3D. Para eu ir. Ainda por cima a um sábado às 11h da manhã.

True story.

Eu podia referir aqui todas as milhentas razões pelas quais o Rei Leão é um épico, provavelmente o melhor filme de animação de sempre - dos clássicos e não só, vá, e eu aprecio bastante os novos como os Toy Story (e o que eu gosto deles) ou o Wall.E, mas epá, vamos lá ver uma coisa: primeiro há o Rei Leão e depois há os outros.

Podia referir que foi o primeiro filme de animação dobrado em português de Portugal - querem ver que eu vou buscar o VHS ali ao armário?!

Podia cantarolar todas as músicas - Hakuna Matata não é o melhor mote de sempe?! E o Elton John esmerou-se nas outras, esmerou sim - e quase as falas de cor e salteado - sobretudo as que metem hienas e o Mufasa e risos idiotas.

Podia apontar a enorme quantidade de pessoas que, quando vai ao Zoo, chega aos suricatas e pensa "Timon!!".

Podia referir a malta conhecida que deu voz à coisa - hey, o Zazu original até era o Rowan Atkinson, o Scar era o Jeremy Irons e uma das hienas era a Whoopi Goldberg!, e em PT-PT a voz do Timon será reconhecida para toda a eternidade (André Maia, meus caros, André Maia - André quem? O Timon, pronto!).

Podia relembrar que é campeão de vendas, que dá banho na Broadway, que arrecadou óscares e globos de ouro e que não deixa de ser um conto baseado em Shakespeare.

Podia considerar que há dois tipos de pessoas: as pessoas que viram E apreciaram (indissociável) o Rei Leão e as que acham que o simba era aquele dos bonecos da selva que davam de manhã na TVI, em que também lá metiam o Bambi e o Balu e afins (as pessoas que fizeram isso mereciam 6 tiros de caçadeira) Por falar nisso, nem sei como é que ainda namoro com o Apêndice quando ele se me atira com uma justificação destas.

Podia também referir o meu trauma com gnus - eis algo que eu acho que não quero ver em 3D, mas vá, agora tenho mais 15 anos em cima, pelo menos, deve ser mais fácil, ai, mas coitadinho do Mufasa, ali estendido no chão, os últimos gnus a passar, o pó a levantar, e oh, que depressão, é melhor nem pensar nisso - por falar nisso, foi a primeira morte de um personagem Disney assistido ali, em directo e a cores, que a mãe do Bambi a gente nunca viu morrer, só soubemos...

Podia dizer isto tudo. Depois podia também, claro, opinar que, de facto, e sobretudo nas sequências que se pretendem cómicas, a coisa fica-se pela faixa etária a que é destinada, ou seja, é mesmo só para as criancinhas acharem piada. Podia ainda esclarecer que claro que sei que a versão 3D não vai acrescentar nadinha e basicamente consiste em aproveitar o sucesso do épico até ao tutano, apresentando-o de forma mais apetecível à geração mais novinha por um preço de bilhete que não tem nada a ver com o de 1994.

Podia dizer isto tudo e muito mais. Mas vou-me limitar apenas a concluir que as pessoas que viram o Rei Leão são, certamente, melhores pessoas. E quem não viu teve, indubitavelmente, uma infância (uma vida, diria até) muito mais triste. Mas está sempre a tempo.

12.05.2011

1
Atentado ao Espírito Natalício


Eu juro que até gosto da música (em todas as alturas do ano menos nesta), mas se ouvir Mariah Carey em tudo o que é centro comercial me provoca uns instintos ligeiramente violentos, ouvir Mariah Carey em dueto (ou nem sei bem o que chamar àquilo) com o Bi-Bieber em tudo o que é centro comercial dá-me vontade de sair de casa com uma pressão de ar a dar tiros em pessoas vestidas de Pai Natal.

(By the way, parece que a Árvore (falsa) (chamar-lhe pinheirinho é redutor, porque a bicha até tem um tamanho considerável) está de volta aqui à habitação (em boa verdade ela nunca saiu ali da despensa, mas é para compreenderem o ar dramático da coisa). Depois de um ano de ausência por questões mais sentimentalistas e depressivas, e ainda que venha tarde e a más horas (que mamãe é precoce e costuma expôr a bicha já logo ali em meados de Novembro), a Árvore está de regresso, para iluminar toda a bela rua (mamãe é ligeiramente exibicionista e a dita cuja vê-se ao longe). Assim sim, iniciamos saudavelmente por estas bandas o tal do espírito natalício.)

12.01.2011

1
Opááááá*


... que isto é tão bom!



* ao que a minha mãe usualmente me responde "oh vassouraaaa".