6.29.2012

1
Psicólogo precisa-se. Ou de alguém cá em casa, vá.


Não sei se já tinha referido a minha estima e apreço por uns não tão simpáticos bichinhos octópodes de 8 olhos. Não há palavras (ou até há, mas são todas demasiado feias para escrever aqui) que definam a minha relação com o maravilhoso mundo dos aracnídeos.


Se acaso ainda não tinha referido, acho que este pequeno intróito vos deve dar uma ideia, por isso adiante.

Ora a modos que, na última incursão que fiz aos meus humildes aposentos, deparei-me com isto.


O drama, o horror, a TRAGÉDIA.
A modos que não consigo passar da porta enquanto este espécime estiver na parede. Ainda que seja a parede oposta à da entrada. Talvez eu esteja já noutra divisão e continue a hiperventilar a pensar que aquilo lá está, tendo deixado a porta do quarto fechada até descobrir como resolver a situação. 
Estou bastante treinada em técnicas de extermínio aracnídeo à distância, mas nenhuma se me afigura suficientemente segura e eficaz naquele sítio: a técnica "atirar o chinelo (ou arma semelhante)" exige uma perícia acima da média, visto a bicheza se encontrar próxima do tecto e também do varão do cortinado; a técnica "vassoura", devido à altura a que o artrópode se encontra, exige demasiada aproximação, o que viola a distância mínima de segurança; a técnica "mafu" não é passível de ser executada nas condições mínimas de segurança por, além de partilhar o inconveniente da anterior, poder provocar uma morte lenta ao aracnídeo, permitindo-lhe espernear (e há 8 patas em jogo) e refugiar-se num qualquer local enquanto moribundo, dificultando a tarefa de declaração do óbito; a técnica "chamar a mãe/pai/irmão/família" também não pode ser posta em prática por ausência de sujeitos. 
Resta-me aguardar que chegue a cavalaria para me ajudar a travar esta dura batalha. É que dava mesmo jeito voltar a dormir no meu quarto. A pior coisa era agora chegar lá e ela já lá não estar - PARA ONDE É QUE FOI? PODE ESTAR EM TODO O LADO!!!
Dava também jeito fechar a porcaria da porta da varanda, que fica mesmo naquela parede e está completamente aberta desde a tarde toda, porque não consigo chegar até lá.
5 anos em psicologia para isto, pá. Sou uma psicóloga que até sabe alguma coisa de dessensibilização sistemática mas que bem podia ser uma das Savage Chickens. Nunca vou passar da 3ª semana.


1 Pessoa leu e ainda comentou!

S@ndryn@ disse...

Deixa lá no outro dia vi uma enorme até me parecia que tinha pelinhos e tudo eram cerca de 2h da manha quando me pus aos gritos ao cimo das escadas [recusando-me a descer e a passar por aquele bicho horrendo, sei la nao fosse ele cair-me em cima da cabeça ou algo do género], e acordei a casa toda :x
Tudo por causa de, e passo a citar a minha mãe, "um bichinho tão inofencivo e pequenino"... Aquilo de pequeno no tinha nada o.O